Escolha uma Página
Dias Ligeiros

Dias Ligeiros

Gosto dessa sensação da rapidez dos dias.

É como se os dias ruins passassem logo.

Mesmo que os bons nunca cheguem.

É como se um fardo saísse das costas, mas instantaneamente colocassem outro. Eterno estivador, trabalhador infinito do Porto de Problemas.

Problemas bem que podia ser somente um cais. Que fossemos lá de vez em quando. Porém, Problemas está mais para um bairro, no qual permanentemente estamos nele.

A noite chega. Já sonho. Acordei. Mais um dia.

Desaprendi os nomes dos meses, me pego contando: mês um, mês dois, oito… Ano novo.

É como se fosse um professor que folheia a caderneta de chamada, vê tantos nomes, são tantos futuros, é tanta responsabilidade… Ufa! Termina a aula e segue para outra.

E novamente faz-se o dia. Vem almoço. Não quero lanche. Banho para jantar. Dormir. Sonhar não dá. A luz já chega. Hoje poderia ter menos peso. Quem sabe o alfadengueiro não está de bom humor e alivia para mim? Esperar… Somente o que posso fazer… Esperar.

Imagem:  NeONBRAND via Unsplash

Texto: Tarcísio Oliveira

Versículo da Bíblia

Versículo da Bíblia

Lisos.

Negros.

Diadema.

Como estava linda.

Mesmo com meteoros explodindo.

Seus lábios cantavam.

A música não sabia.

Nossas mãos se tocaram.

Dançamos.

Não lembro a canção,

Talvez fosse a música que ela cantou.

Beijo.

Quente e longo.

Meteoros que caíam

E fodam-se.

O bom era o agora com ela.

Apocalipse.

Não sei.

Talvez fosse algum versículo da Bíblia.

Imagem: Austin Schmid via Unsplash

Texto: Tarcísio Oliveira

Liberdade condicional

Liberdade condicional

O dia da libertação.

Seria um dolo pensar que alguém teria um privilégio desses: liberdade.

Liberdade incide diretamente em decisão, que nos remete a livre-arbítrio, e essa capacidade por sua vez, faz parte apenas dos argumentos religiosos.

Desconfio até que nos momentos que falamos com nós mesmos, é um evento forçado pelo meio, para quem sabe termos ideias que nos leve a algum tipo de avanço.

A abolição da escravatura, em alguns países, considero apenas uma espécie de agregação de mão-de-obra ao modelo de produção majoritário.

Vivemos no máximo numa liberdade condicional. Temos horários, regras, dias para lazer, etiquetas, moral, vestimentas adequadas, línguas, gramáticas, leis, nomes.

O pensamento é coordenado por parâmetros anteriores, herança coletiva. Respirar é uma capacidade fisiológica previamente estabelecida.

O dia da libertação talvez seja o dia do descanso, o dia de morrer. Não se pode nem afirmar tal premissa, pois é possível que a outra dimensão exista, e nela tenhamos menos possibilidades de agir, outras obrigações.

O dia da libertação.

Imagem: Ashim D’Silva

Texto: Tarcísio Oliveira

A seca

A seca

Texto: Aurora Siqueira*

Sol a pino, gado magro, chão seco, vegetação queimada e ser humano forte, eis um retrato do sertão.

À noite o céu reluz, com o brilho das estrelas, o semblante de um vaqueiro que clama por chuva, reza e dorme cedo.

Cobre com o manto platinado da lua os barreiros secos e o teto de telha de um casebre abandonado por aqueles que não aguentaram esperar a chegada de água.

Como numa missão quase impossível a natureza gera uma gota de orvalho, que se evapora no primeiro raio solar.

Amanhece… O vaqueiro veste seu gibão, olha para sua vaca e segue… Como sempre forte.

*Aurora Siqueira:

Cidadão do mundo, coração e alma pernambucanos.

Professora universitária, nas horas vagas amante das letras.

**Créditos imagem: Brad Helmink